Agende sua consulta a partir de R$150,00

logomarca cannacare

Por que a maconha dá fome? A popularmente chamada de larica

Captura de tela 2024-03-26 173330

Sumário

A “larica” é mais do que um mero efeito colateral do consumo de cannabis; é um fenômeno interessante, que intriga pesquisadores e médicos. À primeira vista, pode parecer uma simples consequência do uso da planta, mas uma análise mais profunda revela uma complexidade surpreendente que envolve a biologia humana, a neurociência e o potencial terapêutico da planta. Enquanto milhões ao redor do globo relatam essa intensificação do apetite após consumirem cannabis, a ciência trabalha para desvendar os mistérios por trás dessa experiência.

Este artigo propõe uma exploração dos mecanismos bioquímicos e fisiológicos que fundamentam a relação entre o consumo de cannabis e o aumento do apetite. Ao interagir com o sistema endocanabinoide do corpo, um sistema complexo que regula desde nossas emoções até nosso metabolismo, o THC ativa uma série de reações que culminam na sensação de fome intensificada. Mas, o que torna essa interação particularmente fascinante são as implicações para o tratamento de condições médicas, nas quais o apetite reduzido é um sintoma debilitante.

Neste contexto, o aumento do apetite não é apenas um efeito colateral curioso, mas também um potencial aliado terapêutico. De pacientes oncológicos a indivíduos que enfrentam distúrbios alimentares, a capacidade da cannabis de estimular o apetite pode ser uma ferramenta valiosa nas práticas da medicina integrativa

Desvendando a Conexão Entre THC e “Larica”

O fenômeno da “larica”, frequentemente visto com leveza e humor na cultura popular, é, na verdade, uma janela para a complexa interação entre a cannabis e a fisiologia humana. Este aumento súbito e intenso do apetite não é um mero efeito colateral indesejado; é um reflexo direto de como os componentes ativos da planta afetam o sistema endocanabinoide do corpo, um sistema que desempenha papeis vitais na regulação de nossas funções biológicas mais básicas.

O sistema endocanabinoide, descoberto nas últimas décadas do século XX, é uma rede intrincada de receptores localizados em todo o corpo, incluindo o cérebro, órgãos, tecidos conectivos e até mesmo células imunológicas. Este sistema é responsável por manter a homeostase, ajudando a regular tudo, desde o humor, a memória e o apetite, até a percepção da dor e a resposta inflamatória. Canabinoides endógenos, produzidos naturalmente pelo corpo, e canabinoides fitogênicos, encontrados na cannabis, como o THC, interagem com este sistema de maneiras que influenciam profundamente nossa fisiologia.

Quando o THC é introduzido no corpo, ele se liga principalmente aos receptores CB1, localizados no cérebro, mas também espalhados por outros órgãos. Esta ligação não apenas altera o estado de consciência, produzindo a euforia associada ao THC, mas também modifica a função de vários sistemas biológicos. Uma das alterações mais notáveis é a intensificação da sensação de fome. O THC ativa certos caminhos no hipotálamo, uma área do cérebro envolvida na regulação do apetite, que sinaliza a necessidade de comer. Além disso, pode aumentar a liberação de grelina, um hormônio que promove a fome, contribuindo ainda mais para o estímulo do apetite.

Além dos aspectos puramente fisiológicos, a “larica” também tem uma dimensão sensorial. O THC é conhecido por intensificar as sensações, incluindo o paladar e o olfato, tornando a comida mais atraente e gratificante. Esta combinação de fatores biológicos e sensoriais pode transformar uma simples refeição em uma experiência intensamente prazerosa, levando ao consumo aumentado de alimentos durante ou após o uso de cannabis.

O THC e o Apetite: Explorando os Caminhos Bioquímicos por Trás da Fome Intensa

O papel do Tetraidrocanabinol (THC) no estímulo ao apetite é um fascinante exemplo de como substâncias externas podem influenciar profundamente os sistemas biológicos do corpo humano. Ao ligar-se aos receptores CB1 do sistema endocanabinóide, o THC inicia uma cadeia de eventos bioquímicos que não só modifica a percepção e o humor, mas também tem um efeito pronunciado sobre o apetite. Este mecanismo de ação transcende a simples interação receptor-ligante, mergulhando nas complexidades do metabolismo e da neuroquímica humana.

Quando o THC se liga aos receptores CB1, um dos efeitos imediatos é a alteração na liberação de vários neurotransmissores, incluindo dopamina, que está intimamente associada ao prazer e à recompensa. Este aumento na liberação de dopamina pode intensificar a sensação de prazer derivada da alimentação, tornando a experiência de comer mais gratificante e, por consequência, estimulando o desejo de continuar consumindo alimentos.

Além disso, o THC afeta o hipotálamo, uma região do cérebro crucial para a regulação do apetite. Pesquisas sugerem que o THC pode ativar neurônios específicos no hipotálamo que liberam grelina, um hormônio conhecido por seu papel na promoção da fome. A grelina, frequentemente chamada de “hormônio da fome”, sinaliza ao corpo a necessidade de ingestão calórica, levando a um aumento percebido no apetite.

Outro aspecto relevante é o efeito do THC sobre o trato gastrointestinal. Ao interagir com o sistema endocanabinóide presente no sistema digestivo, o THC pode promover a liberação de peptídeos que contribuem para a sensação de fome. Essa ação sugere que o efeito do THC sobre o apetite é diverso, influenciando tanto o sistema nervoso central quanto o periférico.

A complexidade dessas interações bioquímicas destaca o potencial terapêutico do THC em situações onde a estimulação do apetite é desejável. Por exemplo, em pacientes submetidos a quimioterapia, que frequentemente experimentam náuseas e perda de apetite, o THC pode oferecer alívio significativo, permitindo um melhor aporte nutricional e, consequentemente, um melhor estado geral de saúde.

Papel Terapêutico: O aumento do apetite e suas Possíveis Aplicações na Medicina Cannábica

O aumento do apetite, conhecido popularmente como “larica”, transcende a mera curiosidade, revelando-se como um potencial aliado terapêutico para pacientes enfrentando sérias condições de saúde que afetam o desejo e a capacidade de comer, como distúrbios alimentares, câncer e HIV/AIDS. Pesquisas científicas têm sido crescentes, documentando as maneiras pelas quais o THC pode ser utilizado para estimular o apetite e, consequentemente, melhorar a qualidade de vida desses pacientes.

O estudo “Medical Cannabis Increases Appetite but Not Body Weight in Patients with Inflammatory Bowel Diseases” de 2023 sugere que a cannabis medicinal pode ser uma estratégia potencial para melhorar o apetite em alguns pacientes com doenças inflamatórias intestinais, embora isso não tenha sido associado a um aumento no IMC em 3 ou 6 meses.

De acordo com a pesquisa recente, de 2023 “Cannabis Sativa targets mediobasal hypothalamic neurons to stimulate appetite”, conclui-se que os neurônios do hipotálamo mediobasal contribuem para as propriedades estimulantes do apetite da cannabis inalada.

Evidências sugerem no estudo de 2022 “Efficacy of medicinal cannabis for appetite-related symptoms in people with cancer: A systematic review” de que a cannabis aumenta o apetite em pessoas com câncer. São necessárias pesquisas futuras que devem considerar cuidadosamente os mecanismos biológicos.

O estudo de 2023 intitulado “Cannabis Sativa targets mediobasal hypothalamic neurons to stimulate appetite” conclui que os neurônios do hipotálamo mediobasal contribuem para as propriedades estimulantes do apetite da cannabis inalada. Este achado é significativo porque destaca um mecanismo específico pelo qual a cannabis pode aumentar o apetite. O foco nos neurônios do hipotálamo mediobasal oferece insights sobre como a cannabis interage com o cérebro para influenciar o comportamento alimentar.

Esses estudos apontam para o potencial da cannabis em tratar diversas condições em pacientes com doenças graves, oferecendo uma alternativa ou um complemento aos tratamentos farmacêuticos tradicionais. O perfil de efeitos colaterais relativamente toleráveis da cannabis é particularmente atraente para pacientes que já estão lidando com os desafios de terapias como a quimioterapia.

A capacidade da cannabis de melhorar o apetite e o aporte nutricional não apenas destaca seu valor terapêutico potencial, mas também destaca a necessidade de uma abordagem mais aberta e informada no uso da cannabis na medicina. À medida que mais pesquisas são conduzidas e mais informações se tornam disponíveis, a aplicação terapêutica na medicina cannábica está se estabelecendo como uma via promissora para melhorar significativamente a qualidade de vida de pacientes com condições crônicas, marcando o início de uma nova era com tratamentos baseados em cannabis.

Como Diferentes Cepas Podem Influenciar a Larica

A rica diversidade de cepas de cannabis, cada uma caracterizada por seu perfil único de canabinoides e terpenos, desempenha um papel fundamental na modulação da “larica”, o aumento do apetite induzido pelo consumo de cannabis, revelando um aspecto intrigante da interação entre a planta e a fisiologia humana, onde diferentes composições químicas influenciam tanto a intensidade quanto a natureza da experiência alimentar.

Cepas com altos níveis de THC são particularmente notórias por sua capacidade de estimular o apetite. O THC atua diretamente sobre o sistema endocanabinóide, especificamente os receptores CB1 no cérebro, desencadeando uma cascata de reações bioquímicas que resultam na sensação de fome. Isso se deve à liberação de hormônios como a grelina, conhecida como o “hormônio da fome”, que sinaliza ao corpo a necessidade de ingestão de alimentos.

Além do THC, os terpenos — compostos responsáveis pelos aromas e sabores distintos das plantas — contribuem significativamente para a experiência de comer, modificando a percepção sensorial dos alimentos. Terpenos como o mirceno, com seu aroma terroso, e o limoneno, de fragrância cítrica, podem intensificar a sensação de prazer ao comer, tornando a alimentação mais agradável e satisfatória. A presença desses terpenos, juntamente com o THC, sugere que a larica não é apenas uma questão de fome, mas também de prazer e satisfação alimentar.

A sinergia entre canabinóides e terpenos, conhecida como efeito entourage, amplifica os efeitos da cannabis, inclusive no que tange à estimulação do apetite. Esta interação complexa indica que a eficácia de uma cepa em provocar a larica depende de uma combinação fina de seus componentes químicos, não se limitando apenas ao seu conteúdo de THC.

Para aqueles que buscam na cannabis uma maneira de estimular o apetite, a escolha da cepa correta é essencial. Considerando o perfil de canabinóides e terpenos pode-se personalizar a experiência cannábica, optando por cepas que não somente induzam a larica, mas que também realcem a experiência de consumo alimentar, promovendo uma maior satisfação e prazer.

Portanto, a capacidade de influenciar a larica através de diferentes cepas de cannabis abre um leque de possibilidades para experiências alimentares enriquecedoras e, potencialmente, terapêuticas. Com o avanço das pesquisas e o aprofundamento do conhecimento sobre a interação entre os componentes da cannabis e o sistema endocanabinóide, o potencial de utilizar cepas específicas para estimular o apetite e melhorar a qualidade de vida torna-se cada vez mais uma realidade tangível.

Descobrindo Novos Horizontes com a Cannabis: Um Caminho para o Bem-Estar

Ao explorarmos as profundezas da relação entre cannabis e apetite, desvendamos não apenas os mistérios de um fenômeno conhecido como “larica”, mas também as potencialidades terapêuticas que essa planta milenar oferece. A capacidade da cannabis de estimular o apetite emerge como uma ferramenta valiosa no tratamento de condições de saúde que comprometem a nutrição e o bem-estar dos pacientes. Através da compreensão dos mecanismos bioquímicos e fisiológicos que regem esse efeito, bem como da influência de diferentes cepas e seus perfis de canabinoides e terpenos, abrimos portas para abordagens inovadoras no campo da medicina cannábica.

A CannaCare, comprometida com a saúde e o bem-estar de seus pacientes, está na vanguarda da exploração dessas possibilidades, oferecendo consultas médicas e produtos à base de cannabis cuidadosamente selecionados. Nosso objetivo é não apenas tratar sintomas, mas também melhorar a qualidade de vida de cada paciente, entendendo suas necessidades individuais e proporcionando soluções personalizadas. Acreditamos no potencial da cannabis como parte integrante de uma abordagem terapêutica integrativa, que leva em conta o bem-estar físico, mental e emocional.

Convidamos você a se juntar a nós nesta jornada de descoberta e bem-estar. Seja você alguém buscando alívio para condições que afetam o apetite ou simplesmente interessado em explorar os benefícios terapêuticos da cannabis, a CannaCare está pronta para guiá-lo.

Nossa equipe de especialistas está ao seu dispor para oferecer suporte, informação e os melhores produtos canábicos do mercado, garantindo que sua experiência seja segura, eficaz e, acima de tudo, transformadora.Embarque conosco nesse caminho de descobertas e bem-estar.

A CannaCare é mais do que uma plataforma de saúde; é uma aliada no seu percurso para uma vida mais plena e saudável. Entre em contato conosco e descubra como a cannabis pode ser integrada ao seu plano de saúde e bem-estar.

Texto escrito por Mariana Ferreira

Revisão médica:

Dr. Sérgio Rayol – CRM SP 165458

Diretor médico na CannaCare.

Médico pela Universidade Estadual de Pernambuco (UPE). Especialista em Clínica Médica pelo Hospital Santa Marcelina e em Hematologia e Hemoterapia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Curso de Medicina Paliativa no Instituto Pallium (Buenos Aires). Curso de Medicina Cannabinoide pela WeCann Academy

Fale com um especialista